google-site-verification=21d6hN1qv4Gg7Q1Cw4ScYzSz7jRaXi6w1uq24bgnPQc

7 FILMES ICÔNICOS DOS ANOS 80 ENVOLVENDO VAMPIROS

7-filmes-vampiros-dos-anos-80

Os Anos 80 são um celeiro de listas de indicações. Revendo o filme A hora do espanto, procurei filmes de vampiros da época que marcaram o cinema e são falados até hoje. Não coloquei algumas produções de comédias como O Beijo do Vampiro, aquele divertido com Nicolas Cage ou o ótimo A morta viva, de Jean Rollin, pois não é uma lista definitiva sobre filmes de vampiros da época, o que farei em outro momento. Hoje vou citar apenas os filmes mais populares. Concidentemente, são 7, um número que gosto particularmente.

Boa sessão:


Manhattan, Nova York. Miriam Blaylock (Catherine Deneuve) é uma vampira que consegue se manter "viva" e bela através dos séculos com o sangue dos seus amantes. Em retribuição, os jovens e as moças que se envolvem com ela não envelhecem, até Miriam ter tirado bastante sangue deles. Infelizmente seu atual parceiro, John (David Bowie), está tendo um envelhecimento extremamente rápido e a expectativa de vida é de apenas 24 horas. Desesperado, ele procura a ajuda da médica Sarah Roberts (Susan Sarandon), que é especialista em envelhecimento prematuro. 


David Bowie declarou que, para que seu personagem ficasse com a voz mais rouca à medida que envelhecesse, passou a ir toda noite à ponte George Washington para cantar todas as músicas punk que conhecia.
O produtor Richard Shepherd queria que Alan Parker dirigisse Fome de Viver. Foi o próprio Parker quem o convenceu a contratar Tony Scott, se baseando nos comerciais que já havia feito.



Tudo começa quando a tripulação de um ônibus espacial descobre, na cauda do cometa, uma espaçonave contendo alienígenas fossilizados, a maior parte semelhantes a grandes morcegos. Três dos alienígenas, em forma humana, são trazidos à Terra, revivem e, ao se alimentarem da força vital de suas vítimas, transformam as pessoas em um tipo de vampiro. As vítimas continuam o ciclo, e em breve todo o planeta está em perigo. O único sobrevivente do ônibus espacial segue em busca da líder dos vampiros do espaço.


Do diretor de “Poltergeist – O Fenômeno” e coescritor de “Alien – O Oitavo Passageito”, Força Sinistra é uma aventura incrível de ficção científica, cheia de ação e suspense. Com efeitos especiais de alta qualidade produzidos pelo vencedor do Oscar, John Dysktra, Força Sinistra, indicado ao prêmio Saturno de Melhor Filme de Terror de 1986 e baseado no livro “The Space Vampires” do escritor Colin Wilson, é uma magnífica obra de ficção científica que proporciona uma diversão do outro mundo.


Para o jovem Charley Webster (William Ragsdale) nada poderia ser melhor que um velho filme de terror bem tarde da noite. Assim, quando novos moradores ocupam a casa vizinha a experiência de Charley não deixa nenhuma dúvida de que o comportamento estranho dos novos vizinhos é explicado pelo fato de eles serem vampiros. Charley pede ajuda a Peter Vincent (Roddy McDowell), o apresentador do programa de terror preferido de Charley, mas acontece que Peter, além de covarde, não acredita em vampiros e está neste negócio apenas por dinheiro. 


Além disto, ele está correndo o risco de passar por louco ao dizer que seus vizinhos são vampiros e, para piorar tudo de vez, a mãe de Charley faz algo que deixa o filho apavorado: ela fica encantada com Jerry Dandrige (Chris Sarandon), um dos vampiros, e o convida para entrar na casa dela.

Entrevistei o diretor e o ator que faz Billy Cole. Além disso, é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos.


Três jovens amigos decidem viver uma noite de aventura num clube de strip-tease. Entre uma bebida e outra, o trio fica fascinado com a subida no palco de uma stripper chamada Katrina (Grace Jones). O que eles não sabem é que Katrina é a líder de um bando de criaturas satânicas, que usa o clube noturno como chamariz para atrair suas vítimas. Ela escolhe um deles para passar uma noite de amor. Quando os outros dois descobrem onde estão, tentam resgatar o amigo antes que seja tarde.


Grace Jones não fala uma única palavra no filme. Segundo Jones, a ideia foi dela, optando por interpretar o papel com técnicas de cinema mudo inspiradas em Max Schreck em Nosferatu. 


Os irmãos adolescentes Michael e Sam se mudam com a sua mãe para uma pequena cidade no norte da Califórnia. Enquanto o jovem Sam encontra novos amigos com interesses semelhantes, o angustiado Michael acaba se apaixonando por Star, que está envolvida com David, o líder de uma gangue local de vampiros. Ao se dar conta do que está acontecendo, Sam e seus novos amigos embarcam na missão de salvar Michael e Star dos mortos-vivos.


O produtor executivo Richard Donner seria o diretor de Garotos Perdidos, mas optou por dirigir Máquina Mortífera. Depois que Donner deixou a direção, Mary Lambert chegou a assumir o cargo, mas deixou devido a diferenças criativas e Joel Schumacher assumiu a função.


Certa noite, o jovem Caleb Colton conhece uma bela garota, Mae, e acaba sendo mordido e transformado em vampiro por ela. Logo Caleb descobre que Mae faz parte de um grupo de vampiros errantes que atacam caroneiros e bares de beira de estrada através dos Estados Unidos. Ele é forçado a seguir com o bando e se aproxima cada vez mais de Mae. Mas seu pai, o veterinário Loy, começa a investigar o sumiço do filho.


Tive a honra de entrevistar a atriz do filme, Jenny Wright. Além disso, o filme marca também um ótimo papel do saudoso ator Bill Paxton, que faleceu em 2017, que sofreu um derrame em decorrência de complicações após uma cirurgia.


Durante o dia, Gerri Dandridge (Jaime Murray) é uma professora universitária; à noite, ela se transforma em uma vampira com inesgotável sede por sangue humano. Quando um grupo de estudantes viaja para a Romênia, eles acabam caindo na teia de sedução de Gerri, e passam a correr grande risco. O grupo então pedem ajuda a Peter Vincent (Sean Power), apresentador de um programa de TV local chamando A Hora do Espanto e caçador de vampiros.


O filme é sequência do grande êxito anterior. Apesar de ter sido bem recebido pela crítica (o crítico de cinema brasileiro Rubens Ewald Filho o considerou "tão bom quanto o original"), não teve a mesma repercussão, mas tornou-se um cult movie. Ainda que siga a cartilha de continuações, tornando ela maior, com maior orçamento, mais vampiros, mais efeitos, mais personagens... o filme tem identidade visual e personalidade ao retratar os vampiros de forma diferente do primeiro.



Tecnologia do Blogger.